Projeto de Lei pede limitação de atletas transexuais no esporte em São Paulo

Publicidade
Compartilhe nossas matérias nas Redes Sociais

Um projeto de Lei publicado no Diário Oficial de São Paulo nesta terça-feira pede a proibição da inscrição de atletas transexuais em competições oficiais no estado. O texto, do deputado estadual Altair Morais, do PRB, diz que as equipes deverão seguir apenas o sexo biológico como definidor dos gêneros. A lei, se aprovada, entraria em vigor 180 dias após a publicação. Se for aprovada, vetaria, por exemplo, a participação de Tifanny, primeira transexual a disputar a Superliga Feminina.

O projeto de Morais usa, inclusive, o desempenho de Tifanny na temporada passada, quando foi um dos destaques do Bauru. A polêmica em torno da jogadora foi reacendida após declaração de Bernardinho no confronto entre Sesc-RJ e Sesi-Bauru, pelas quartas de final da Superliga. O comentário foi feito após Tifanny marcar ponto explorando o bloqueio adversário. Bernardinho se irritou na lateral da quadra e disparou: “Um homem é f*”. A reação do técnico foi flagrada pela transmissão da TV.

Publicidade

– Tal situação vem se repetindo em diversas modalidades esportivas, em que pessoas do sexo biológico masculino, após cirurgias de redesignação sexual, alteração do nome social, implantes mamários, gluteoplastias de aumento, e ininterruptos tratamentos hormonais, passam a integrar equipes femininas. Apesar de todos os procedimentos descritos, é fato comprovado pela medicina que, do ponto de vista fisiológico, ou seja, a formação orgânica não muda – diz parte do texto.

Tifanny tem a liberação da Confederação Brasileira de Vôlei para atuar na Superliga. Há, no entanto, uma comissão de estudos em andamento na Federação Internacional de Vôlei para estudar a participação de atletas transexuais no vôlei.

Fonte: globoesporte.globo.com